Home A Crônica River Land Metrópole Esplanada Mata Prainha Red Rocks Castle City Etc Download
River Land
Cainitas
Brujah
Gangrel
Malkavian
Nosferatu
Toreador
Tremere
Ventrue
Assamita
Giovanni
Lasombra Antitribu
Caitiff
Regiões
Elísios
Locais

Japinha

Peão (Xadrez)

Nome: Lee
Conceito: Político corrupto
Status: (0) Anarquista
Idade aparente: Casa dos 30
Abraço: Entre 1920 a 1940
Sire: ?

Descrição:

Atributos: Sociais; manipulação, raciocínio
Habilidades: Conhecimentos; política, acadêmicos
Disciplina: Presença, dominação

Histórico:

Ninguém sabia de sua presença na cidade. Apenas quando Andréia assumiu ele apareceu em uma das reuniões da Camarilla e se apresentou aos vampiros (em 1949), abandonando a reunião após esgotarem as perguntas a ele direcionadas.

Fato estranho ele se refugiar no Bairro Chinês, além de seu estranho objetivo: apressar o processo de putrefação da política local, "incentivando" os políticos, mediante uso de poderes sobrenaturais a entrarem no jogo de corrupção. Não costuma se relacionar com os membros e nunca mais apareceu em uma reunião da Camarilla.

Retrato:

Nissei, altura média baixa, cabelos lisos escuros até a altura das orelhas.

Veste-se de acordo com o que a situação exige,variando do popular estilo comportado de rua aos ternos finos.

Nunca olha diretamente nos olhos de ninguém quando fala. Possui estilo autoritário, fala como se ordenasse.

Crônica:

Não participa dos eventos da Camarilla.

Refúgio:

Em algum lugar do Bairro Chinês.

Domínio:

Oficial nenhum.

Boatos:

  • Ele é membro do Sabá, prole criada sem autorização, ou espião que se aproveitou do assassinato do Príncipe Franco Donkilla para limpar sua barra;
  • Ele possui alguma ligação com os Cataianos (vampiros orientais) ou então não se refugiaria no Bairro Chinês;
  • Dizem que certa vez ao ser ameaçado disse tranqüilamente que se fosse assassinado começaria uma guerra entre os Cataianos e os Cainitas da Camarilla;

Pharahos by Night é produto de ficção e imaginação. Qualquer semelhança com fatos ou pessoas na vida real é mera coincidência.